I – Identificação da Escola

ESCOLA SAGRADA FAMILÍA
Rua Papa João XXIII, 47
JANDIRA
CEP 06600-120

Fone / Fax: 4789-4261 
Código do CIE: 143947
Número do CNPJ – 57.387.078/0001-28

A unidade Escolar funciona em período integral das 7:00 às 16:00.

Ensino Fundamental/ Ensino Médio

Para nós da Escola Sagrada Família a maneira mais humana de existir, é aquela que hoje pode ser sintetizada pela expressão “MISSÃO COMPARTILHADA”. Esse termo, em outras palavras, significa fórum de cidadania. Expressam a mútua colaboração e comum responsabilidade de religiosos, sacerdotes e leigos no projeto de evangelização.

De fato, a escola católica existe para evangelizar. Somos porta-vozes das famílias que optam pela nossa escola. Com essa filosofia de trabalho apresentamos os tópicos a seguir.

VISÃO: A Escola Sagrada Família, inspirada ao carisma de Santa Paula Elisabete Cerioli, é um ambiente educativo no qual se aprende a “criar o futuro”. O aluno aprende a interpretar a realidade do mundo de hoje e assumir as próprias responsabilidades.

MISSÃO: Acompanhar e promover os alunos, junto com as suas famílias, na construção de uma personalidade na sua integridade promovendo todas as potencialidades humanas: físicas, emotivas, cognitivas, sociais, espirituais e religiosas.

VALORES: A Escola Sagrada Família educa, sobretudo, com uma presença viva e amorosa no meio das crianças e dos jovens. A presença é a forma mais alta para manifestar o amor para com eles, para comunicar a misericordiosa paixão que Deus tem para o homem. A família é sujeito imprescindível no projeto educativo escolar. A Escola na sua dimensão educativa, instrutiva e comunitária deve, além de cuidar do crescimento da criança, criar e fazer crescer gradualmente uma aliança com a família, a qual se torna construtora de valores e cultura da própria escola.

 

1.1 Histórico da Unidade Escolar

A Congregação da Sagrada Família foi fundada por Paula Elizabete Cerioli, idealizadora de um ambiente educativo, marcado pela solidariedade universal pelas crianças e por uma sensibilidade particular pela educação. Sua ação educativa busca o desenvolvimento de habilidades e competências através de relações livres e responsáveis consigo mesmo, com os outros, com a sociedade e com Deus.

Em Jandira esta Congregação é representada por seus padres que fundaram, em 10 de novembro de 1987, a Escola de Ensino Fundamental Sagrada Família para atender, em período integral, as crianças pobres do município, dando-lhes educação, alimentação e amor.

Por não possuir espaço físico, na única sala disponível, era desenvolvida a atividade de reforço escolar no período da manhã, com alunos que estudavam à tarde na Escola Estadual Oswaldo Sammartino e vive-versa.

Seu funcionamento oficial deu-se apenas em 1991 com a implantação de duas salas de aula – 1ª e 2ª séries. A partir de então foi crescendo e se ampliando a cada ano, completando o I Ciclo do Ensino Fundamental (1ª a 4ª série) em 1993.

A Direção da escola e seus fundadores resolveram então dar continuidade ao ensino fundamental, implantando em 1994 o Ciclo II. Em 1997, ocorre a 1ª formatura da 8ª série.

No ano de 2005, a Escola Sagrada Família amplia o seu atendimento para o Ensino Médio.

 

1.2 CONCEPÇÃO DE SOCIEDADE

 

Sociedade é o agrupamento de indivíduos entre os quais se estabelecem relações econômicas, políticas e culturais. Numa sociedade existe unidade de língua e cultura e seus membros obedecem a leis, costumes e tradições comuns, unidos por objetivos que interessam ao conjunto, ou às classes que nele predominam. Em sentido estrito, confunde-se com a comunidade política que vive num estado nacional e seus limites são as fronteiras políticas e geográficas do estado. A idéia de sociedade pressupõe um contexto de relações humanas no qual ocorre a interdependência entre todos e cada um de seus componentes, que subsiste tanto pelo caráter unitário das funções que cada membro desempenha como pela interiorização das normas de comportamento e valores culturais dominantes em cada comunidade.

 1.3 CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO

 No seu sentido mais amplo, educação significa o meio em que os hábitos, costumes e valores de uma comunidade são transferidos de uma geração para a geração seguinte. A educação vai se desenvolvendo através de situações presenciadas e experiências vividas por cada indivíduo ao longo da sua vida.

O conceito de educação engloba o nível de cortesia, delicadeza e civilidade demonstrada por um indivíduo e a sua capacidade de socialização.

No sentido técnico, a educação é o processo contínuo de desenvolvimento das faculdades físicas, intelectuais e morais do ser humano, a fim de melhor se integrar na sociedade ou no seu próprio grupo.

 1.4 CONCEPÇÃO DE ESCOLA

“ Escola é..  o lugar onde se faz amigos. Não se trata só de prédios, sala, quadros, programas, horários, conceitos…Escola é, sobretudo, gente, gente que trabalha, que estuda, que se alegra, se conhece, se estima. O diretor é gente, o coordenador é gente, o professor é gente, o aluno é gente, cada funcionário é gente. E a escola será cada vez melhor na medida em que cada um se comporte como colega, amigo, irmão. Nada de Ilha cercada de gente por todos os lados. Nada de conviver com as pessoas e depois descobrir que não tem amizades a ninguém, nada de ser como o tijolo que forma a parede, indiferente, frio, só. Importante na escola não é só estudar, não é só trabalhar, é também criar laços de amizade, é criar ambiente de camaradagem, é conviver, é se amarrar nela’! Ora, é lógico… Numa escola assim vai ser fácil estudar, trabalhar, crescer, fazer amigos, educar-se, ser feliz. ” Paulo Freire

 1.5 CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO CERIOLANA

Paula Elizabete viveu num contexto social[1] marcado pala pobreza. Neste contexto os camponeses sofriam grande discriminação, encontrando-se sem condições de vida, sem esperança de futuro.

A partir de uma experiência de fé, marcada pela crise devido à morte do único filho Carlos[2], a Cerioli volta-se para esta classe, preocupando-se, sobretudo, das crianças camponesas, através de uma intervenção educativa que favorecesse a inserção no meio social.

A pedagogia da Cerioli parte do princípio de que formar é colocar em ato uma exultante, mas difícil arte maiêutica, acontecimento gerativo. “Trata-se, nada mais nada menos, de possibilitar uma segunda criação, melhor que a primeira”.

Formar é orientar com firmeza e docilidade ao mesmo tempo, à liberdade que favorece o crescimento do homem interior. Formar é conduzir pela mão[3], orientar a uma meta, habilitar para a autolibertação.

A ação educativa nos moldes do pensamento cerioliano tem como objeto todo homem que se encontra “sem futuro”, motivando-lhe a mente, o coração, à vontade; abrindo-o para a responsabilidade, à solidariedade, ao respeito, afirmando a dignidade de toda criatura; guiando-o ao altruísmo, num mundo onde parece dominar o individualismo e o interesse privado.

A construção do conhecimento acontece por meio do socorro educativo endereçado a todos, mas de maneira especial aos mais “frágeis” e “problemáticos”, para dar a cada um as mesmas oportunidades de vida na sociedade, não obstante as diferenças.

Apesar de a Cerioli não ter tido, e nem podia ter, uma cultura pedagógica moderna e muito menos expor em nenhum livro conceitos e métodos educativos de modo científico, não é, todavia, sem fundamento que ela se comportou e foi considerada uma autêntica educadora, inovada com respeito a seu tempo. As suas linhas pedagógicas e todas as suas intervenções educativas devem ser compreendidas no âmbito da experiência de fé e mais especificamente da sua escolha de se tornar mãe das crianças pobres, depois de fazer-se evangelicamente pobre.

A Cerioli recomendava e praticava formas e modalidades de educação personalizada. Na relação educativa adotou o modelo familiar e comunitário, indicando um estilo aprontado pela docilidade, afabilidade, pela compreensão e pelo diálogo.

[1] Costanza Onorata (nome de batismo) nasceu em Soncino, província de Cremona, Itália, em 28 de janeiro de 1816 e morreu em 24 de dezembro de 1865, após fundar a Congregação feminina e masculina da Sagrada Família.

[2] Num contexto de fé, as crises agem como agente purificador para a ascese espiritual. O crescimento espiritual vem quase sempre precedido por um momento de “noite escura”. Esta é a experiência mística de grandes santos, como por exemplo, João da Cruz e a própria Cerioli.

[3] Este é o conceito clássico de Pedagogia.